sistemi_allarme_pt_med462

Sistemas de alarme:
mais informações


O dispositivo antirroubo, sem fio, é certamente o mais fácil e rápido de utilizar, pois não necessita de serviços de alvenaria para a instalação. Se a intenção for instalar um sistema de alarme, é necessário avaliar o tipo de moradia (se se trata de um apartamento ou casa isolada), os lugares em que são mantidos os objetos mais preciosos e as passagens obrigatórias, as zonas mais sensíveis e todos os acessos, ou seja, as portas principais e secundárias, as janelas, as claraboias e outros possíveis acessos.

É muito importante procurar sempre um especialista para a escolha e instalação.

Um sistema de alarme é composto de:
detectores ou sensores, aparelhos capazes de detectar e sinalizar de forma eletrônica tentativas de vários tipos (exemplo: detectores de movimento internos para sinalizar a abertura de portas e janelas, de vidros quebrados etc.) cuja intenção é violar as zonas protegidas;

dispositivos de alarme (sirene interna e externa), aparelhos destinados à difusão do estado de alarme através de sinalizações óticas, sonoras, comunicações por telefone e/ou rádio;
unidades de comando, o coração do sistema, controlam e elaboram sinalizações eletrônicas provenientes de detectores/sensores com o objetivo de ativar os dispositivos de alarme;
grupo de alimentação, frequentemente instalado na unidade de comando, com pilha autônoma. Indispensável para alimentar o sistema, mesmo em caso de interrupção momentânea de corrente elétrica da rede pública;
teclados de comando e transmissores  bidirecionais para ligar uma parte ou todo o sistema.

Resumindo, a unidade de comando do alarme controla todo o sistema, os sensores detectam a presença de estranhos e as sirenes avisam sobre a intrusão.

O sistema de alarme pode ser incorporado aos outros automatismos da casa?

Com apenas um controlo remoto é possível comandar o sistema de alarme e os automatismos de portões, garagens, toldos e estores, além de comandar sistemas de irrigação, iluminação e cargas elétricas; automatismos individuais ou em grupos (o estore da sala de estar, todos os estores do primeiro piso, estores e toldos do lado sul etc.).
O conforto de um sistema domótico apenas com o custo do sistema de alarme!

Qual é a melhor forma para proteger a casa?

Graças à evolução dos sistemas e à disponibilidade de novas tecnologias, a tendência atual permite proteger a área dividindo-a de acordo com uma lógica “de círculos concêntricos” (zona amarela: jardim ou terraço; zona laranja: portas e janelas externas; zona vermelha: interior da habitação) para desencorajar com as mensagens vocais emitidas pelas sirenes possíveis tentativas de intrusão antes que comecem (zona amarela), ativar o alarme das sirenes na primeira tentativa de forçamento de portas ou janelas (zona laranja), chamar a polícia apenas quando os detectores internos (zona vermelha) sinalizarem uma intrusão efetiva no resto da habitação.

Dentro da habitação pode-se dividir o sistema em blocos homogêneos (exemplo: garagem, áreas do rés-do-chão, locais no primeiro piso) de modo que seja possível utilizá-lo de forma parcial, limitado apenas a algumas zonas, habilitando as áreas que necessitam de proteção e desabilitando as que não necessitam, de acordo com determinados horários. Um sistema deste tipo analisa os costumes dos moradores e permite escolher o momento oportuno para a ativação.